Link para Escola Prepraratória

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov

Trabalho apresentado em painel pelas autoras no 40° Congresso Do Hospital Universitário Pedro Ernesto – HUPE – Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 2002.

Marcia Ferreira Amendola
Patrícia Mara Danan
Pós-Graduada em Psicologia Clínico-Institucional - HUPE/UERJ
Pós-Graduada em Psicologia Oncológica - INCA
Psicóloga do Hospital Quinta D'or e do Município de São Gonçalo
Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise – UERJ
Psicóloga da Prefeitura do RJ

OBJETIVO

O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre a importância da intervenção do psicólogo, dentro de uma equipe multidisciplinar, no diagnóstico e tratamento da síndrome de Wernicke-Korsakov, desenvolvida após um quadro de Hiperêmese Gravídica.

CONCEITUAÇÃO TEÓRICA

  1. “A Hiperêmese Gravídica é uma condição clínica de alto risco (...) caracterizada por vômitos incoercíveis que acabam por determinar sérios distúrbios hidroeletrolíticos e nutricionais. Nas formas graves da afecção, geralmente resultante de terapêutica ineficaz ou tardiamente instituída, podem ser observadas perdas ponderais superiores a 5% do peso corpóreo, cetose, complicações neurológicas, hepáticas e renais, e hemorragias retinianas.” (Fairwather, 1968 in Jorge de Rezende, Obstetrícia, 1987). A HG é considerada uma manifestação psicossomática, que na maioria das vezes, requer hospitalização.
  2. Etiologia: fatores mecânicos, endócrinos, alérgicos, metabólicos, assim como a fatores psicológicos que, segundo Fairwather, estão presentes em aproximadamente 80% dos casos de HG.

    Causas Psíquicas Relacionadas:

    • Medo do Parto
    • Conflitos Familiares
    • Questões Sociais e Econômicas
    • Rejeição Inconsciente da Gravidez
    • Conflitos Psicossexuais
    • Vivência de abandono
    • Ambivalência Afetiva
    • Regressão

    Gladstone Roberts (1946), em seu estudo estatístico com 100 mulheres após o terceiro mês de gestação, mostrou que 57 vomitavam e 43 não o faziam. Uma análise psicológica permitiu destacar, entre outros, os seguintes fatores:

    Dispepsia neurotônica anterior
    Grupo com vômitos
    Grupo sem vômitos
    6
    0
    Ligação excessiva à mãe
    20
    4
    Relações sexuais perturbadas
    40
    4

  3. Síndrome de Wernicke-Korsakov: observa-se que alguns casos graves e prolongados de Hiperêmese Gravídica podem evoluir para esta Síndrome devido a causas nutricionais, essencialmente por uma carência em Tiamina (vitamina B1). Nesses casos podemos observar que está presente a negação psicológica da gestação que se manifesta a partir de fenômenos físicos, psicossomáticos e psicóticos. Faz-se necessária terapêutica específica, que não garante a remissão total dos sintomas, podendo deixar seqüelas irreversíveis.

Sintomas Clássicos:

  • delírio para morte, alucinações
  • déficit cognitivo, atenção e memória
  • distúrbio do humor, distanciamento indiferente e puerilismo eufórico
  • confusão mental: desorientação, distúrbio da percepção, confabulação
  • cefaléia, distúrbio do sono
  • vômitos incoercíveis
  • anorexia
  • oftalmoplegia
  • distúrbios da marcha
  • estupor, astenia (fraqueza muscular)
  • polineurite dos membros inferiores (algias, parestesias, atrofia muscular, depressão dos reflexos rotulianos e aquileus)

INSERÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR
Atuação do psicólogo:

  • o psicodiagnóstico de psicose
  • acompanhamento psicológico à gestante
  • apoio familiar,interlocução com a equipe

Objetivos Terapêuticos a  serem trabalhados:

  • Aderência ao tratamento
  • Aspectos inconscientes da rejeição e da ambivalência materna
  • Vivência de abandono
  • Medo da morte
  • Luto do lugar de filha e da dependência materna
  • Culpa e reparaçãovínculo mãe bebê
  • Aceitação das limitações atuais decorrentes da doença
  • Possibilidade de maior autonomia
  • Preparação para o parto
  • Planos para o futuro

CASOS CLÍNICOS

CASO 1) G., casada, primípara, professora de Educação Física, foi internada na maternidade do HUPE/UERJ, na 20ª semana de gestação, com um quadro grave de hiperêmese gravídica, que disse ter iniciado na 12ª, tratando ambulatorialmente em um posto de saúde. A neurologia diagnosticou o quadro como Síndrome de Wernicke-Korsakov. G. apresentou os sintomas clássicos da doença, em que podemos destacar os aspectos regressivos, as alucinações visuais, a polineurite, que a impossibilitou de deambular, sendo necessário o uso de cadeira de rodas para a locomoção, aspectos que  comprometeram sua autonomia. Obteve alta médica na 25ª semana, passando a ser acompanhada quinzenalmente, no setor de Pré-natal, pela equipe multidisciplinar. Durante o tratamento psicológico foram trabalhados os aspectos psíquicos relativos a doença. Atualmente, a puérpera  encontra-se em tratamento com a psicologia

CASO 2) S., 27 anos, separada, do lar, secundigesta, com uma filha de 9 anos, foi internada na maternidade do HUPE com 37 semanas por Hiperêmese Gravídica após duas internações anteriores em outros hospitais. Apresentava todos os sintomas clássicos da síndrome de Wernicke-Korsakov, que foi diagnosticada pela Neurologia em parceria com a Psicologia, com especial destaque para o delírio para a morte, alucinações cenestésicas e  para amnésia seletiva de evocação, na qual os fatos concernentes ao ex-marido haviam se “apagado” da memória. Sua gravidez foi considerada indesejável, agravando-se após ter sido abandonada pelo marido. S. estava vivendo graves conflitos familiares no momento em que desenvolveu o quadro de HG, reforçando seus mecanismos de defesa e acentuando os aspectos regressivos da personalidade e a rejeição inconsciente da gestação. A paciente ficou internada até o parto, que aconteceu a termo. Após o parto a paciente apresentou melhora dos sintomas de apatia, amnésia, dos delírios e alucinações, conseguindo estabelecer um vínculo afetivo com sua filha. Atualmente S. se encontra em tratamento no ambulatório de Neurologia e pós-natal.

CONCLUSÃO
Observa-se que é de fundamental importância a abordagem multidisciplinar, nos casos de Hiperêmese gravídica, visando um diagnóstico rápido e preciso, para que a gestante receba, com urgência, todas as terapias cabíveis à patologia, a fim de prevenir a evolução da doença para a Síndrome de Wernicke-Korsakov.

Consideramos importante ressaltar que todos os casos de hiperêmese gravídica devem ser acompanhados pela Psicologia, já que exigem uma conduta, essencialmente, psicodiagnóstica e psicoterápica destinada a obter, com urgência, um tratamento eficaz.

Referência Bibliográfica:

CHUSID,J.G. Neuroanatomia Correlativa e Neuroanatomia Funcional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 14ª edição,1972

EY, H; BERNARD,P & BRISSET,C. Manual de Psiquiatria. São Paulo: Masson do Brasil e Atheneu, 5ª edição.

MALDONADO, M.,T. Psicologia da Gravidez. São Paulo: Saraiva, 16ª edição, 2002.

REZENDE, J. Obstetrícia. Rio de Janeiro: Guanabara, 5ª edição, 1987.

Informações bibliográficas:

AMENDOLA, Marcia Ferreira & DANAN, Patrícia Mara. Urgência Psicológica em gestantes com Hiperêmese Gravídica que desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov. 40° Congresso Do Hospital Universitário Pedro Ernesto – HUPE/UERJ. Rio de Janeiro, 2002. Disponível em www.canalpsi.psc.br/artigo17.htm. Acessado .

NOTA: Site criado e mantido pela Psicóloga Marcia Ferreira Amendola. CRP 05/24729. Rio de Janeiro, Brasil. Todos os direitos reservados conforme a legislação em vigor. Proibida a reprodução dos textos publicados nesta página sem permissão do autor. É permitida a cópia e citações desde que acompanhadas da indicação da fonte.

Conselho Regional de Psicologia Conselho Federal de Psicologia Arquivo PDF do Código de Ética Profissional do Psicólogo